2 A Semana em Pixels #29

[Fonte]

Bangai-O Spirits + Inception + namorada = bons tempos. Alguns textos novos para o blogue já estão prontos e deverão entrar em acção durante Agosto. Até lá, mais alguns links:

  • O jornal britânico Daily Star causou um certo furor depois do “jornalista” Jerry Lawton ter publicado que Raoul Moat, o criminoso que alvejou três pessoas (duas das quais foram hospitalizadas, enquanto outra faleceu) e que se suicidou a 10 de Julho após ter sido cercado pela polícia, teria direito a um jogo baseado nos homicídios que cometeu. O nome do jogo? Grand Theft Auto: Rothbury. O problema? Era mentira. As coisas agravaram-se quando o Daily Star e Lawton foram acusados de mau jornalismo, e Lawton afirmou estar surpreendido com as reacções. “Estou estupefacto com a reacção de jogadores adultos. Estamos a falar de homens adultos (?!?) que ficam o dia todo sentados a jogar jogos de computador entre si e que hoje decidiram entrar no mundo real o tempo suficiente para se queixarem da minha história sobre uma versão Grand Theft Auto de Raoul Moat!”. Entretanto a Rockstar Games entrou em cena e como resultado, o Daily Star pediu desculpas, admitindo que não tentaram confirmar a veracidade da história antes de a publicarem e que não contactaram a Rockstar Games antes de publicar a dita história. A salientar que no comunicado oficial não é revelada qualquer intenção de reavaliar as competências de Lawton ou a continuação do seu trabalho no jornal. Algo vai mal quando são as “crianças” a ter que ensinar aos “adultos” o que é responsabilidade, ou quando aqueles que passam o “dia inteiro a jogar jogos” têm maior noção de ética jornalistíca do que os ditos “jornalistas”, não?

  • Bill Murray, Harold Ramis e Conan O’Brien observados pela GQ. É um tríptico que revela alguns momentos interessantes sobre cada indíviduo – a reclusão e escolhas de Murray, a evolução de Ramis e os últimos dias do programa de O’Brien pelos olhos de um escritor da equipa. Por outras palavras, talvez, o fim da comédia. Não quero olhar de modo muito apocalíptico para isto, mas a verdade é que a comédia sempre foi mais uma questão de formato (de atitude) do que “género” (uma série de regras a cumprir). É algo bastante difícil de fazer e que melhor exemplo do que o Saturday Night Live, que deu a conhecer grandes nomes (Murray, Aykroyd, Franken) mas também alguns dos comediantes mais medíocres da actualidade (Wayans, Sandler, Fallon)? Murray, Ramis e O’Brien continuam à sua maneira, claro, mas as pessoas tendem a não aprender com o melhor do passado.
  • UFO: The Two Sides é basicamente X-Com: Enemy Unknown refeito por um grupo de fãs e feito para jogar online, enquanto humano ou invasor alienígena. Uma boa maneira de descobrir porque a frase “Movimento Escondido” teve um impacto tão grande em gerações passadas.
  • Jeff Vogel, autor de RPGs indie como a série Avernum e Geneforge, faz o que ninguém estava à espera e revela que não se importa que os seus jogos sejam pirateados… Às vezes.
  • (…) Nadia é uma câmera que não mostra as fotografias prestes a ser tiradas, mas que dá à máquina um parecer sobre a qualidade estética, mostrando apenas como “feedback” uma classificação sobre quando e o que fotografar”. + “Sorriso Artificial é (…) uma câmera (que) joga com a noção de perfeição e auto-retoques. Criada como um engenho de imagem, apenas mostra o sorriso das pessoas cujas fotografias estão prestes a ser tiradas, independentemente dos seus estados emocionais anteriores“. Antinatural ou um golpe contra o desejo egoísta de querer manipular a realidade?
  • Em honra da consola criada por Gunpei Yokoi, a Pixel Joint está a pedir aos seus membros que imaginem demakes de jogos para Virtual Boy. Até agora o desafio já produziu imagens para Metroid Prime e Mega Man, entre outros, mas é The Secret of Monkey Island que rouba as atenções.
  • Maps” é Simon Parkin a escrever sobre mapas de videojogos em geral, e de Final Fantasy VII em particular. No entanto, como é habitual na escrita dele, há muito mais em jogo.
  • “Jnkboy” imaginou alguns demakes para os fóruns do Way of the Pixel. A atenção ao detalhe é soberba, e muitas destas versões impossíveis parecem mais apelativas do que as originais.
  • Brenda Brathwaite, uma das designers das séries Wizardry e Jagged Alliance, pensa sobre algumas das regras que devem ser aplicadas a jogos sociais.
  • A expressão “uma boa ideia em papel” é levada à letra com as Fatalities de Mortal Kombat, animadas… Em papel.
  • Como um poster de Robocop deve ser feito.
  • Dois lados de Pokémon: o amoroso e o hediondo.
  • Bayonetta a passear Amaterasu ou o oposto?
  • Cala-te mulher, sai do meu tronco!

2 Responses to A Semana em Pixels #29

  1. Totalitarismo, um sorriso de cada vez!

  2. Telmo says:

    essa do sorriso imposto lembra um “Big Brother on your pocket”